Como criar uma Live USB do Kali Linux

Hoje vou explicar como criar uma Live USB do Kali Linux. Mas antes de mais vou explicar brevemente o que é uma Live USB e o que é o Kali Linux.

Kali Linux é uma distribuição Linux desenvolvida pela Offensive Security. É uma distribuição baseada no Debian, usa o modelo de desenvolvimento rolling release e é focada para profissionais que decidem fazer testes de penetração (penetration testing) ou segurança ofensiva. Muitos hackers éticos elegem esta como sendo a melhor distribuição para profissionais de segurança.

Live USB é nada mais nada menos do que utilizar um Pen Drive USB para ter um sistema operativo funcional em um dispositivo USB sem precisar instalar em um disco duro. Isto é utilizado por algumas pessoas para testar algumas distribuições, recuperar alguma instalação corrompida ou ainda para utilizar o computador de alguém sem necessitar alterar nada na máquina.

Criar uma Live USB do Kali Linux em outras distribuições Linux é simples. Pode se fazer de forma simples utilizando programas com interface grafica como o Etcher,o Fedora Media Writer ou ainda o Gnome Disks.

Neste caso vou mostrar como fazer pelo terminal. Deste modo pode se fazer o procedimento em qualquer distribuição sem alterar nada.

Primeiro precisamos de identificar o dispositivo USB, neste caso não existe um comando que nos fornece essa informação de primeira, então vamos ter que juntar a informação de vários comandos como por exemplo o “lslbk”que lista os dispositivos em bloco, mas não fornece nenhum nome amigável relacionado aos dispositivos para facilitar a identificação, e o “fdisk” que fornece informações mais especificas sobre um disco específico.

$ lsblk
NAME MAJ:MIN RM SIZE RO TYPE MOUNTPOINT
sda 8:0 0 29,8G 0 disk 
├─sda1 8:1 0 490M 0 part /boot/efi
└─sda2 8:2 0 29,3G 0 part /
sdb 8:16 0 465,8G 0 disk 
├─sdb1 8:17 0 462G 0 part /home
└─sdb2 8:18 0 3,8G 0 part [SWAP]
sdc 8:32 1 15,1G 0 disk 
└─sdc1 8:33 1 5,8G 0 part /media/rickinho/USB

No comando acima podemos observar um dispositivo que foi montado no directório “/media/rickinho/USB”, este dispositivo é o “sdc” e o seu caminho completo no sistema é o “/dev/sdc/”. O kernel linux trata dispositivos como ficheiros comuns. Agora podemos obter mais informações sobre este dispositivo encontrado para confirmar se ele é mesmo aquele que se procura.

$ sudo fdisk -l /dev/sdc
Disk /dev/sdc: 15,1 GiB, 16231956480 bytes, 31703040 sectors
Units: sectors of 1 * 512 = 512 bytes
Sector size (logical/physical): 512 bytes / 512 bytes
I/O size (minimum/optimal): 512 bytes / 512 bytes
Disklabel type: dos
Disk identifier: 0x17fcad22

Device Boot Start End Sectors Size Id Type
/dev/sdc1 * 64 31703039 31702975 15G 17 W95 FAT32

Neste caso podemos identificar que este é o dispositivo que procuramos, ele tem aproximadamente 16GiB  e o sistema de arquivos é do tipo FAT32, estas são as principais das características de uma pen drive. Agora que identificamos o dispositivo (e assumindo que o download da ISO do Kali LInux já foi feito neste link) podemos começar a gravar a ISO no dispositivo, para isto utilizamos o comando “dd”. Para isso executamos o comando com as seguintes opções “if” indicando a imagem ISO, “of” indicando o dispositivo ou ficheiro em que serão escritos os dados, “bs” para que a leitura e escrita será feita em blocos de 512 bytes e por ultimo “status” para nos mostrar o progresso de execução.

# dd if=kali-linux-2017.2-amd64.iso of=/dev/sdc bs=512 status=progress
5823+1 records in
 5823+1 records out
 3053371392 bytes (3.1 GB) copied, 746.211 s, 4.1 MB/s

NOTA: Tenha em atenção o dispositivo especificado como destino, caso especifique como destino o disco errado, pode danificar totalmente o seu sistema operativo.

Após concluído o processo podemos começar a utilizar o Kali Linux sem precisar de instalar o mesmo nas máquinas.

NOTA: Após terminar este procedimento podemos ainda tornar o nosso live USB mais útil criando uma área de dados persistente que nos permite armazenar dados que sobrevivem ao reinicio no pen drive e aumentar o tamanho da partição raiz criada no pen drive.

OPCIONAL

Para aumentar o tamanho da partição raiz do sistema devemos fazer dois passos, primeiro devemos mover a partição UEFI e segundo acrescentar o espaço disponível para a partição raiz.

Para a tarefa de mover a partição eu recomendo que se faça com a ferramenta gráfica GParted, os meus testes com as demais ferramentas não foram bem sucedidos. Esta ferramenta é muito simples e representa muito bem as informações dos discos de dispositivos que se encontram actualmente conectados ao sistema. Seleccione a partição desejada (deverá ser a menor delas) e com um clique do lado direito escolha a opção “Redimensionar/Mover”, após isso deslize a partição para a direita para deixar espaço livre para a partição raiz. Pronto, primeiro passo concluido.

Para o segundo passo os meus testes não foram bem sucedidos com o GParted, no entanto a ferramenta de linha de comandos “parted” resolveu o problema sem muitas dificuldades.

# parted /dev/sdc
[sudo] senha para rickinho: 
GNU Parted 3.2
Using /dev/sdc
Welcome to GNU Parted! Type 'help' to view a list of commands.
(parted) print 
Model: SRT USB (scsi)
Disk /dev/sdc: 16,2GB
Sector size (logical/physical): 512B/512B
Partition Table: msdos
Disk Flags:

Number Start End Size Type File system Flags
 1 32,8kB 2981MB 2981MB primary boot, hidden
 2 5345MB 5362MB 16,8MB primary fat16
(parted) resizepart 1 5GB

Após este comando a partiçao deve passa a ter o novo espaço especificado.

Para criar uma área de dados persistente devemos criar uma nova partição no dispositivo, para esta tarefa eu recomendo novamente o uso do GParted pela sua facilidade de uso, no entanto irei mostrar o comando utilizados para atingir o mesmo objectivo na linha de comandos.

Primeiro devemos criar uma partição nova, para isso podemos utilizar o “fdisk” novamente com a opção “n” e esolher as opções recomendadas.

# fdisk /dev/sdc

Welcome to fdisk (util-linux 2.30.2).
Changes will remain in memory only, until you decide to write them.
Be careful before using the write command.


Command (m for help): n

Apos criar a nova partição devemos criar um sistema de arquivos e rótular como “persistence”, para isso vamos utilizar o comando “mkfs”.

# mkfs.ext3 -L persistence /dev/sdc3

E para finalizar devemos montar a partição criada e criar dentro dela um arquivo com o nome “persistence.conf” e com o seguinte conteudo “/ union”.

# mkdir -p /mnt/my_usb
# mount /dev/sdb3 /mnt/my_usb
# echo "/ union" > /mnt/my_usb/persistence.conf
# umount /dev/sdb3

Após este passo concluímos o processo. Agora temos um pen drive que nos permite inicializar um sistema operativo sem ter necessidade de utilizar o que se encontra no disco e que grava as alterações feitas.

Fonte: https://docs.kali.org/downloading/kali-linux-live-usb-install
Fonte: https://docs.kali.org/downloading/kali-linux-live-usb-persistence

Compartilhe... :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.